Criando ossos fora do corpo humano!!

Gordana Vunjak-Novakovic, professor de engenharia biomédica na Universidade de Columbia, resolveu um dos muitos problemas  para que os implantes ósseos tenham sucesso: como fazer crescer os ossos novos na forma anatômica idêntica ao original.

Dr. Vunjak-Novakovic e sua equipa de investigação criaram e nutriram dois pequenos ossos a partir do zero em seu laboratório. Os ossos novos, parte de um conjunto na parte de trás da mandíbula (pela foto, um côndilo), foram criados com células-tronco humanas. O formato é baseado em imagens digitais de ossos danificados.

Estes ossos estão sendo testados em animais e em algumas pessoas, e pode ser comum em salas de operação dentro de uma década, disse Rosemarie Hunziker, diretora de programas do Instituto Nacional de Bioengenharia Biomedical Imaging que patrocina pesquisas na área, incluindo a da Universidade de Columbia.

Dr. Vunjak-Novakovic, Dr. Warren L. Grayson e outros membros da equipe usaram imagens digitais e uma máquina que esculpiu uma réplica tridimensional, chamado de armação-esqueleto, de materiais de osso limpo. A equipe virou a armação nua em tecido vivo, colocando-o em uma câmara moldando a sua forma exata, e adicionando as células humanas, normalmente isoladas da medula óssea ou de gordura lipoaspirada. Uma fonte constante de oxigênio, hormônios de crescimento, açúcar e outros nutrientes, foram canalizados para a câmara, ou bioreator, para que o osso se desenvolvesse.

O Professor Hollister, em Michigan, também está trabalhando na criação de ossos da articulação da mandíbula. Mas, em vez de usar um biorreator para cultivá-las, ele planeja usar o corpo humano como a incubadora. A armação-esqueleto para o osso novo, concebido a partir de uma tomografia computadorizada e impressos diretamente através de um sistema laser, é preenchido com as células da medula óssea ou gordura que são retirados do paciente para evitar as reações do sistema imunológico. “Então vamos deixar o corpo do paciente, naturalmente, curar e reconstituir o tecido como o implante é reabsorvido pelo organismo”, disse ele.

Muitos dos componentes para gerar bons ossos estão no lugar, disse David L. Kaplan, professor e presidente do departamento de engenharia biomédica da Tufts University. “A tecnologia está aqui”, disse ele, “para controlar o tamanho, forma e características funcionais do tecido humano em laboratório.”

texto traduzido e adaptado de uma reportagem do [the new york times]

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *