Ionômero de Vidro

O que é ionômero de vidro?

O cimento de ionômero de vidro foi desenvolvido por Wilson e Kent nos anos 70 como uma evolução dos cimentos de silicato e policarboxilato de zinco, associando as características positivas dos dois materiais.

Características do cimento de ionômero de vidro:

As principais características do cimento de ionômero de vidro são: Adesividade à estrutura dental (maior em esmalte) pela reação de quelação ao cálcio, liberação de íons flúor (maior no período de geleificação) contribuindo para o controle da cárie dentária e remineralização do esmalte, capacidade de se recarregar através de outras fontes de flúor, coeficiente de expansão térmico semelhante ao dente e biocompatibilidade.

Ao misturar-se o líquido ao pó ocorre a reação de presa do tipo ácido-base formando um sal de hidrogel, que atua como matriz de ligação. Ocorre um efeito de quelação com o cálcio e a superfície exposta da estrutura dental tendo assim a adesão.

Tipos de ionômero de vidro:

  • TIPO I: São utilizados para cimentação (maior escoamento);
  • TIPO II: Indicados para restaurações principalmente em regiões cervicais que sofreram abrasão / erosão / abfração e cárie. Em cavidades tipo classe III e selantes invasivos e não invasivos. Restaurações tipo classe II não são recomendadas.
  • TIPO III: Indicados para forramento / base de restaurações de amálgama ou resina composta.
  • TIPO IV: Confecção de núcleos.
  • Ionômero de vidro modificado por resina: Também conhecidos como ionômeros híbridos. Possuem uma reação ácido-base e fotoativação de sua porção resinosa. São indicados para forramento, restaurações, selantes e confecção de núcleos.

Propriedades do ionômero de vidro:

Para uma adesão adequada do ionômero de vidro, é necessário que a estrutura dental esteja preparada com um condicionamento por ácido poliacrílico a 25% por 15 a 30 segundos, nos quimicamente ativados. Nos modificados por resina, deve ser utilizado um primer específico fornecido pelo fabricante.

Durante o processo de geleificação do ionômero, o material deve ser protegido com vernizes, vaselina ou adesivos para não sofrer com o processo de sinérese e embebição (perdem e ganham água para o meio) diminuindo sua resistência.

Frank Botega

Cirurgião Dentista formado pela UNISUL - Universidade do Sul de Santa Catarina. Trabalha no PSF de uma pequena cidade no interior de Santa Catarina e em consultório particular. Criou o odontoBLOGia e escreve desde 2008.

Talvez você se interesse por...

7 Responses

  1. muito bom :) esclarecedor

  2. Fernanda disse:

    Frank obrigada! Muito esclarecedor! Olha como foi importante o seu post…. (pergunta do concurso Iamspe/ 2009 da VUNESP):

    Devido ao tamanho das moleculas, presenca de fluor e baixa irritabilidade, o ionomero de vidro continua sendo um excelente material para forramento de cavidades. Pela classificacao dos cimentos ionomericos, pode-se classificar esse tipo de ionomero como tipo:
    a) I
    b) II
    c) III
    d) IV
    e) V

    resp.: C

  3. washington azevedo disse:

    otimo!, otimo!!!!

  4. Douglas Caldeira disse:

    Muito bacana teu site brother,ta de parabéns e valeu pela ajuda ae :)

  5. Isabella Serafim disse:

    MUITO bom, estou estudando para prova e várias dúvidas minhas foram esclarecidas. Inclusive o por quê minha restauração de ionômero fraturou! Obrigada.

  6. nelci carvalho disse:

    Ótimo, sua explicação me ajudou bastante muito obg….

  7. Aiton disse:

    Parabéns pelo blog e obrigado pela postagem. Bem explicativa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>