Lábio leporino

Lábio Leporino

A fissura labial e a fenda palatina, conhecidas popularmente como lábio leporino, são malformações congênitas que ocorrem durante o desenvolvimento do embrião. Atualmente afetam um em cada 700 nascimentos, e são mais comuns entre os asiáticos e determinados grupos de índios americanos. O lábio leporino ocorre com menos frequência entre os afro-americanos.

Quanto à frequência dessas anomalias, alguns estudos demonstram que 25% dos bebês sofrem de fenda palatina, 25% de lábio leporino, e 50% de ambos. Tanto o lábio leporino como fenda palatina, podem desenvolver-se separadamente ou ao mesmo tempo.

O diagnóstico

A ultrassonografia tornou possível fazer o diagnóstico das fendas labiopalatinas a partir da 14ª semana de gestação. Nessa fase, o importante é tranquilizar os pais, fornecendo informações sobre as possibilidades de tratamento, e esperar a criança nascer. Grande parte dos diagnósticos, porém, continua sendo realizada depois do parto.

O tratamento

Atualmente a recomendação é corrigir a fissura labial cirurgicamente nas primeiras 24h a 72h depois do nascimento para reconstituir o lábio superior e reposicionar o nariz, pois quase sempre existe um desabamento da asa do nariz, por falta de apoio do músculo que está solto daquele lado.

Nos casos de fissura palatina, só por volta de um, dois anos, a criança deve iniciar a reconstituição cirúrgica do céu da boca. O fechamento completo é realizado em etapas, a fim de assegurar a integridade óssea e a funcionalidade da musculatura da oclusão, assim como para evitar a deficiência de respiração e a voz anasalada.  Enquanto esperam pelo final da reconstituição, as crianças usam um aparelho ortodôntico, que cobre a fenda palatina e permite que se alimentem.

Na verdade, o tratamento é o longo. Começa no recém-nascido e termina com a consolidação total dos ossos da face, aos dezessete, dezoito anos. Durante todo esse tempo, os portadores de fissuras oronasais (boca e nariz) devem ser acompanhados por especialistas em diferentes áreas, especialmente por cirurgiões plásticos, fonoaudiólogos e ortodontistas.

Dica para os pais

Fiquem tranquilos. A rejeição, a negação e o sentimento de culpa são normais no primeiro momento, mas com ajuda profissional vocês e seu bebê terão uma vida totalmente normal, saudável e feliz.

Este post foi contemplado com o selo de recomendação do Dr. Leo Augusto (ortoblog).

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Leo Augusto disse:

    Muito bom!

    SELO RECOMENDO: LEO AUGUSTO

    Parabéns, Doc Alex!

    abraços

  2. maria disse:

    quais as recomendaçoes para uma criança com fissura labial

  3. Frank Botega disse:

    Maria, como você pode observar, no próprio post, na parte que fala sobre “o tratamento” sua pergunta está respondida. Obrigado por visitar o odontoBLOGia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *