Materiais de moldagem: Poliéter

O poliéter foi o primeiro elastômero desenvolvido diretamente com a função de material de moldagem, os outros foram adaptados de aplicações industriais. É o resultado de uma reação química entre anéis de aziridina. Normalmente são fornecidos na forma de pastas (base e aceleradora) e em diferentes viscosidades. Não libera subprodutos voláteis explicando a sua excelente estabilidade dimensional.

A maioria dos poliéteres ainda é espatulada manualmente apesar de existirem as pistolas que dosam e fazem a mistura automaticamente. A utilização de adesivos específicos nas moldeiras se faz necessário. O poliéter tem uma resistência ao rasgamento superior que os silicones de condensação e da maioria dos de  adição.

É um material radiolúcido e o profissional deve cuidar para que resíduos do produto não fiquem no sulco gengival. É possível vazar repetidamente um molde e retirar modelos várias vezes sem alterar sua estabilidade dimensional. O glutaraldeído a 2% é uma solução desinfectante satisfatória para esses elastômeros.

Marcas Comerciais:

Impregum 3M

Impregum (3M)

Permadyne ESPE 3M Poliéter

Permadyne (ESPE 3M)

Polyjel Polieter

Polyjel (Caulk)

Poliéter

Vantagens

Desvantagens

Presa rápida Rígido, alto módulo de elasticidade
Fácil leitura das margens Gosto desagradável
Vários vazamentos Tempo de trabalho reduzido
Boa estabilidade Alto custo
Armazenamento em até 7 dias Hidrofílico


REFERÊNCIAS:

Anusavice KJ, Phillips: Materiais Dentários. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,. 1998. 412p.

Outros materiais de moldagem:

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *