Materiais de moldagem – Alginato

Iniciaremos a partir deste post, a escrever um pouco sobre os materiais de moldagem que são utilizados na odontologia.

O material de moldagem alginato foi desenvolvido a partir da observação de um químico escocês sobre algas marrons. Estas algas produziam um extrato mucoso que foi chamada de algin. Depois de vários estudos químicos, esta substância foi sendo aprimorada ate chagarmos ao pó de alginato utilizado atualmente.

É correto denominar o alginato como um hidrocolóide irreversível pois ocorre uma reação química onde o material não pode reverter ao seu estado inicial (pré-presa), que é o pó. A reação química pode ser chamada de processo de geleificação. Se você ama química e quer se aprofundar no assunto recomento ler um dos livros que estão nas referências no fim do texto.

 

Basicamente o alginato é constituído por:

Componente Função Peso percentual
Alginato de Potássio Alginato solúvel 15
Sulfato de Cálcio Reator 16
Óxido de Zinco Partículas de Carga 4
Fluoreto de potássio titânio Acelerador 3
Terra diatomácea Partículas de carga 60
Fosfáto de sódio Reator 2

 

O armazenamento do produto deve ser feito com muita atenção pois a temperatura e a umidade são os dois principais fatores que afetam a vida útil dos alginatos.

Muitos dentistas tentam alterar o tempo de presa do alginato modificando a proporção água/pó ou o tempo da espatulação. Só que não seguindo as recomendações do fabricante a resistência à ruptura ou à elasticidade diminuem podendo levar a perda do molde ou a um modelo deficiente.

Por isso se você deseja acelerar a geleificação ou presa do alginato é mais seguro alterar a temperatura da água, deixando ela mais quente.É claro que se seu consultório é em um lugar onde a temperatura já é alta não existe a necessidade de aquecer a água e muitas vezes é preciso resfriar a espátula de manipulação ou o gral.

Algumas marcas comerciais:





Causas mais comuns para a repetição de moldagens em alginato:

CAUSAS

Efeito
Material Granuloso

a)      Espatulação inadequada

b)      Espatulação prolongada

c)       Geleificação deficiente

d)      Relação água:pó muito baixa

Rasgamento

a)      Espessura inadequada

b)      Contaminação pela umidade

c)       Remoção prematura da boca

d)      Espatulação prolongada

Bolhas de ar

a)      Geleificação inadequada, prevenindo o escoamento 

b)      Incorporação de ar durante a espatulação

Poros com forma irregular

a)      Umidade ou debris nos tecidos

Modelo de gesso rugoso ou pulverulento

a)      Limpeza inadequada do molde

b)      Excesso de água deixado no molde

c)       Remoção prematura do modelo

d)      Modelo de gesso deixado muito tempo em contato com o material

e)      Manipulação inadequada do gesso

Distorção

a)      Molde não foi vazado imediatamente

b)      Movimento da moldeira durante a fase de presa

c)       Remoção prematura da boca

d)      Remoção indevida da boca

e)      Moldeira deixada por muito tempo na boca

Referências:

Anusavice KJ, Phillips: Materiais Dentários. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,. 1998. 412p.

Comments

  1. By particulares de merda

  2. By vergonha!!

  3. By Thays Santiago

  4. By kelly

  5. By Luuh

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>