Anestesia do Dentista: Como funciona?

Antes do início de qualquer tratamento em odontologia (e da Anestesia do Dentista entrar em ação), o profissional deve realizar uma anamnese completa do paciente. Dessa forma o profissional deve procurar o maior número de informações sobre o estado físico e mental do paciente antes da administração do anestésico local. Assim é possível determinar se o paciente pode tolerar física e psicologicamente o procedimento dentário.

Como funciona a anestesia do dentista afinal?

Anestesia do Dentista

Existem diversas substâncias anestésicas utilizadas em odontologia

A anestesia do dentista funciona das seguintes formas:

– Pelo bloqueio da despolarização e bem como da condução nos axônios;

– Mediante a aplicação de frio;

– Induzindo uma isquemia tissular;

– Fazendo-se pressão então sobre os troncos nervosos;

Os anestésicos locais utilizados pelo dentista na dosagem adequada inibem então de forma reversível a condução nervosa no organismo. Concretamente atuam bloqueando o inicio da despolarização e da propagação da mudança do potencial de membrana.

Nesse sentido a teoria atualmente mais aceita é de que os anestésicos atuam em receptores específicos presentes na própria membrana, no interior dos canais de sódio.

Então quando o anestésico local entra em contato com o receptor, obstruem a passagem nesse canal dos íons sódio em direção ao interior da célula. Assim se evita a despolarização, ou seja, a passagem do impulso nervoso. Os anestésicos acabam competindo também com os íons cálcio que tem a função de aumentar a permeabilidade da célula e facilitar a despolarização.

Você sabe calcular a dosagem máxima de anestésico que um paciente pode receber por exemplo?

Para o cálculo, três informações são necessárias: Concentração do anestésico na solução, doses máximas recomendadas bem como o peso do paciente.

Dessa forma, na tabela abaixo, as doses máximas dos anestésicos locais, recomendadas para adultos com 60kg de peso corporal.

Anestésico Local

Dose Máxima

Nº de tubetes (1,8ml) para adultos com 60kg

Máximo absoluto (independente de peso)

Lidocaína 2 %

4,4 mg

7

300 mg

Mepivacaína 2 %

4,4 mg

7

300 mg

Mepivacaína 3%

4,4 mg

4 e ½

300 mg

Articaína 4 %

7 mg

5 ½

500 mg

Prilocaína 3%

6 mg

6 ½

400 mg

Bupivacaína 0,5%

1,3 mg

8 ½

90 mg

Existem de fato contra-indicações para um paciente se submeter ao tratamento com dentista e ao uso de anestésicos locais em odontologia?

As contra-indicações para o tratamento dentário, por exemplo:

  1. Infarto do miocardio nos últimos 6 meses
  2. Derrame, bem como AVC – (Acidente Vascular Cerebral) nos últimos 6 meses
  3. Dor de angina em repouso
  4. Pressão sanguínea superior a 200mmHg/115mmHg
  5. Insuficiência cardíaca Congestiva Grave
  6. Doença respiratória severa
  7. Epilepsia sem acompanhamento de controle
  8. Diabetis Melitus de tipos 1 e 2 sem acompanhamento de controle

Esses pacientes representam um grande risco durante o tratamento dentário.

Enfim, as contra-indicações para a anestesia local são as seguintes:

  1. Alergia confirmada ao anestésico local
  2. Hipersensibilidade à epinefrina
  3. A alergia a epinefrina. O paciente com hipersensibilidade é aquele então que não suporta doses que seriam normais nos demais pacientes
  4. Foram documentadas reações alérgicas aos vários componentes do tubete de anestésico local. De interesse especial em relação à alergia, está então o agente bacteriostático metilparabeno, proibido pelo FDA em anestesia local desde 1984.

Nesse sentido se você tiver alguma dúvida sobre a anestesia do dentista utilize os comentários!

17 Comentários

  1. Jacy 26 de Maio de 2012
  2. juliano 29 de junho de 2012
  3. Maria Gonçalves 30 de junho de 2012
  4. Jennifer Alkmim 10 de julho de 2012
  5. hevelton lima 20 de agosto de 2012
  6. lourdes 20 de novembro de 2012
  7. Camila 19 de dezembro de 2012
  8. adriana 7 de Abril de 2013
  9. Andrade 7 de Maio de 2013
  10. MARIZILDA LANGAME DOS SANTOS 1 de julho de 2013
  11. MARIZILDA LANGAME DOS SANTOS 1 de julho de 2013
  12. MARIZILDA LANGAME DOS SANTOS 1 de julho de 2013
  13. Frank Botega 5 de julho de 2013
  14. ANGELITA BRIGNOL 6 de Março de 2014
  15. ANGELITA BRIGNOL 6 de Março de 2014
  16. Maria 23 de Março de 2015
  17. gabi 19 de Março de 2016

Faça sua pergunta

error: ODONTOBLOGIA - 2008 - 2018